terça-feira, 23 de maio de 2017

ATENTADO em MANCHESTER

Esta tragédia, mais uma, que no presente momento se mostra com contornos ainda indefinidos, por exemplo, se terá sido acto terrorista, executado por lobo solitário excitado pelos incitamentos mensais do Daesh, gera no chamado mundo ocidental muitas e variadas reações.
Uma das primeiras, com a qual não posso estar mais de acordo, haverá que fazer frente a estas coisas, não nos vergando, mantendo a rotina, defendendo os nossos valores.
E nesses valores, está tudo aquilo que de mais sagrado e profundo caracteriza o soberano estado de direito, e o nosso modo de vida em sociedade de liberdade e respeito mútuo.
Mas, para lá das entendíveis manifestações de repúdio pelo sucedido por parte de vários responsáveis políticos de diferentes países, e os cumulativos apoio ajuda e solidariedade para com as famílias das vítimas e para com o Reino Unido também manifestados por parte desses políticos, na vida quotidiana das pessoas colocam-se, penso eu, perguntas a que julgo não se pode continuar a fugir.
Sim, temos que nos habituar a viver com este tipo de coisas. 

Mas, e o que está a ser feito para minimizar o mais possível estas tragédias?
Ou, porque não nos devendo vergar, temos que olimpicamente aceitar que passa a fazer parte da vida no mundo ocidental periodicamente umas quantas famílias ficarem destroçadas, e pronto?

Como mero e insignificante exemplo caseiro, como outros milhares de portugueses periodicamente integro os públicos nos espectáculos no MEO Arena. Já tive ocasiões em que fui rigorosamente revistado mas, como por exemplo no espectáculo recente de homenagem a Jorge Fernando, e a que assistiu o PR, não houve revista alguma.
Olho para a situação portuguesa e sorrio. Por agora fico por aqui.

António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

domingo, 21 de maio de 2017

CMG EMQ LUIZ GUILHERME COGUMBREIRO IVENS BRANDÃO,


Com a devida vénia se transcreve o e-mail recebido do Alm. Joel Pascoal:

Meus caros
 1. É com imensa tristeza que comunico o falecimento, esta noite, do nosso querido camarada de curso Capitão-de-Mar-e-Guerra Engenheiro Maquinista Naval LUIZ GUILHERME COGUMBREIRO IVENS BRANDÃO, ocorrido na sua terra natal em São Miguel, Açores.
2. Mais informo que o Fausto Brito e Abreu, com grandes ligações de longa data ao Luiz Guilherme e sua Família, já tem viagem de avião marcada para amanhã, 22 MAI, com esperança de poder chegar a Ponta Delgada ainda a tempo de assistir ao cortejo fúnebre, onde também nos representará a todos na apresentação, à Fernanda e filhos, das sentidas condolências da malta unida do "DA". Bem haja !
3. Neste teu último soltar de amarras terrestres, Luiz Guilherme, que o excelso porto de abrigo de Deus te acolha e guarde em Paz na Eternidade.
Luís Joel Pascoal"

A sua Família, aos seus camaradas e amigos, em particular aos do Curso "D. Duarte de Almeida", "O Navio ... desarmado" apresenta sentidas condolências.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Dia da Marinha 2017


Póvoa do Varzim e Vila do Conde recebem o Dia da Marinha deste ano. É no dia 20 de Maio a lembrar a chegada de Vasco da Gama a Calecute. 
Para aceder ao programa completo podem seguir esta ligação.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

CMG. EMQ (Ref) Francisco Perneco Bicho


 Oriunda d´"A Voz da Abita" acabou do nos chegar a notícia do falecimento ontem do nosso caro camarada Eng. Perneco Bicho.

  Segundo a mesma fonte, de momento a única informação que se conhece refere que o corpo irá para a Igreja  S.João de Deus a partir das 17 horas de hoje, sexta-feira.

  À sua Exma. Família aos seus Amigos e Camaradas, em particular aos do Curso "Comandante Ferreira do Amaral", "O Navio ... desarmado" apresenta sentidas condolências.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Dia 9 1500 Plenário da AR com propostas de alteração ao EMFAR


Boletim Informativo - segunda-feira, 2017-05-08 às 15:54:40
http://app.parlamento.pt/BI2/images/print_.gif

Plenário - Agendamentos Futuros


Reunião Plenária
DIA 9 maio (terça-feira) | HORA 15:00

3-
Altera o Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR)
Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR)
*Sob condição de admissão
Tempos
cada
GOV e PSD
3 m
PS
3 m
BE*
3 m
CDS-PP
3 m
PCP*
3 m
PEV
3 m
PAN
1 m
*O BE e o PCP, como autores das iniciativas, dispõem de mais um minuto.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Porta-aviões chinês


"De acordo com o jornal de Hong Kong South China Morning Post, o novo porta-aviões, designado temporariamente de "001A", tem 315 metros de comprimento, 75 metros de largura e uma velocidade cruzeiro de 31 nós."

Para ler o artigo no "DN", artigo carregado de algumas incorrecções náuticas, podem seguir esta ligação.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Foi há 43 anos o 25 de Abril


Dia da Liberdade; Dia da Democracia.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

As "curiosidades" do Conselho do Ensino Superior Militar

  Publicado hoje o Despacho 3378/2017 que nomeia todos os membros do Conselho do Ensino Superior Militar.
  Como “curiosidades”:
  São 6 civis (1 dos quais Presidente) e 5 militares.
  Os 5 que representam o Ministério da Defesa Nacional (4 de escolha directa do Ministro, sendo 1 destes o Presidente) são todos civis.
  São sinais dos tempos...
  Mas não consigo classifica-los como bons sinais... para eficiência militar!

António José de Matos Nunes da Silva



quinta-feira, 20 de abril de 2017

LEI de PROGRAMAÇÃO MILITAR (LPM)


A LPM foi uma das facetas que, nas FA, sempre me causou certa estranheza, dúvidas e, no respeitante aos sucessivos governos, sempre do arco da governação até esta geringonça e agora a"dita", a LPM e o que sempre se passou à sua volta ajudou-me a aumentar a minha desconfiança pelos políticos, e a sedimentar a falta de respeito que tenho de há vários anos pela maioria dos sucessivos titulares de órgãos de soberania.
Estou sempre de pé atrás quanto ao que vejo ouço e leio nos OCS.

Isto referido, vou correr o risco de confiar quanto baste no que li no Observador, acerca da LPM e do titular do MDN.

"Pesco" algumas frases, apenas:

> O ramo das Forças Armadas com maior taxa de execução de verbas destinadas à aquisição de material militar foi a Marinha.
>A taxa de execução global das verbas destinadas aos gastos das Forças Armadas com equipamento foi de 77,7% em 2016, quando tinha sido de 86% em 2015. O número fica muito abaixo daquilo que o próprio ministro da Defesa tinha anunciado no dia 18 de janeiro deste ano, aos deputados: a taxa de execução da LPM ficou 20 pontos percentuais abaixo daquilo que o próprio Azeredo Lopes previra, embora tenham sido gastos mais 30,5 milhões de euros do que no ano anterior.
> as contas do ministro referiam-se a “valores provisionais  uma vez que as contas ainda não estavam fechadas
> o ministro não terá explicado com clareza suficiente (pois, digo eu) no Parlamento que o valor a que se referia era apenas o que estava inscrito no Orçamento do Estado - o que surge como uma nova forma de contabilizar a execução das compras militares (pois, digo eu)
> O relatório sobre a execução da LPM foi assinado por Alberto Coelho (onde é que eu já ouvi este nome?)
> a comissão de acompanhamento da LPM responsabiliza o Ministério das Finanças - sem o nomear - por parte dos atrasos nos programas.
> a comissão sugere que o Governo disponibilize os saldos com maior rapidez.
> .......encontrando-se à presente data já integrados no orçamento de 2017 todos os saldos transitados de 2016″.

A fazer fé no "Observador", estará a passar-se boa parte do habitual ao longo dos anos. 
Contratos não fechados por isto e por aquilo, afirmações não correspondentes à verdade (a minha vizinha Celeste lá na aldeia chama-lhes MENTIRAS), dificuldades quanto aos teóricos saldos vindo agora o MDN dizer que tudo está bem melhor (onde ouvi já isto?), as costumeiras recomendações ao ministro das finanças, o atirar de culpas a este e aquele, e o Exército sempre com mais dificuldades (aparentemente sempre a grande distância dos outros Ramos).
Com a reserva de que não conheço o relatório em apreço, presente o que se lê, arrisco dizer, tudo visto e ponderado, mantenho o nojo que sinto por esta gentinha toda. É o que temos, mas nem todos merecemos, sobretudo as FA.

António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

quarta-feira, 19 de abril de 2017

BI Militar

Mensagem que enviei aos responsáveis:

  Vejo que na alínea c) do nº 4 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 51/2017 apenas consta o cartão de cidadão como elemento de identificação.
  Espero que o Conselho de Ministros cumpra a Lei no que respeita ao BI de militares dos quadros permanentes, que transcrevo:
  Nº 1 do Artigo 9º do Estatuto dos Militares das Forças Armadas aprovado pelo Decreto-Lei 90/2015 de 29-5-2015:
"Artigo 9.º
Identificação militar
1 — Ao militar dos QP é atribuído um bilhete de identidade militar, que constitui título bastante para provar a identidade do seu portador em território nacional e substitui, para esse efeito, o cartão do cidadão."
  É que actualmente já há quem não o esteja a cumprir, como o Portal do Ministério da Saúde e Lojas do Cidadão, apesar das reclamações apresentadas.

António José de Matos Nunes da Silva
C/Alm. Ref.
BI: 7643 da Marinha Portuguesa

VIKINGS

A propósito da boa lembrança para a exposição sobre estes guerreiros do mar, cumpre-me informar que em minha casa acolhi em 2001, mais concretamente em Fevereiro desse ano, um pai (viúvo) Viking e os seus dois filhotes. Têm sido muito bem tratados. A única coisa de que se queixam, para lá da "língua" naturalmente, é estarem confinados a um armário/ vitrine onde tenho muita outra coisa. 
Mas têm arejado, periodicamente, para as mãos dos meus netos, higiene periódica, e hoje saíram para serem fotografados, e apresentados aos meus amigos.


António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

terça-feira, 18 de abril de 2017

VIKINGS

A partir de hoje, no Museu de Marinha.


​« Há mais de mil anos, povos vindos do Norte chegaram às margens de uma Europa que não estava preparada para os receber. 
A capacidade de se deslocarem em rápidos e versáteis navios e a violência inesperada dos seus ataques constituíam as principais características destes “guerreiros do mar”

Para mais detalhes sobre a exposição podem aceder à página da Marinha seguindo esta ligação.
POR FALAR EM CASTELOS....



António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

domingo, 16 de abril de 2017

POR FALAR EM FORTES, CASTELOS, FORTALEZAS....


António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

sábado, 15 de abril de 2017

Coreia do Norte


Embora muito novo na altura lembro-me de ouvir falar e ver imagens da guerra da Coreia que teve lugar no início da década de 50 do século passado. Parece que custou a vida a mais de 50 000 americanos e a cerca de 2 milhões de coreanos ... e parece também que há gente saudosa desses tempos.
"Segunda guerra da Coreia: em que pode resultar?" é um artigo do "Sputnik Brasil" que analisa algumas das consequências de um confronto entre os EEUU e a Coreia do Norte. Pode ser lido AQUI.
BARCOS e NÚVENS

Núvens, aqui refletidas, porque existem, e cada vez mais. Mas anda tudo - ah, não é directamente comigo. Esperem pela pancada!



António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)